Com greve da PM, Salvador vive clima de feriado; 34 são presos

Sem PM e com boatos, baianos "antecipam" feriadão; 34 são presos
A greve da Polícia Militar fez com que os baianos antecipassem a rotina de ruas vazias do feriadão. Nesta quarta-feira (16), faculdades e escolas tiveram aulas suspensas, lojas e shopping ficaram fechados e os ônibus foram recolhidos às garagens no fim da tarde. Boatos e arrastões também foram registrados, com 34 acusados presos.

Os militares pedem, entre outras coisas, a mudança do projeto de novo regimento interno da polícia, aumento na gratificação da CET (Condições Especiais de Trabalho), e a criação de regime remuneratório por subsídio para os militares. O governo se reúne ainda nesta noite com lideranças para tentar chegar a um acordo.
Quem saiu de casa percebeu que o trânsito estava calmo e sem congestionamentos. "Hoje, Salvador passaria como um feriado. Poucas pessoas nas ruas e muitas empresas fechadas", disse o empresário Gustavo Costa Acioli.
Às 18h, os coletivos --que circularam de forma reduzida durante o dia-- ficaram nas garagens, após acordo da categoria. Segundo o diretor de comunicação do Sindicato dos Rodoviários, Daniel Mota, vários ônibus foram alvo de saques e arrastões. "Mesmo sabendo que homens do Exército estão nas ruas, estamos nos sentindo inseguros", complementou.
Todos os shoppings da capital baiana decidiram fechar mais cedo. Boa parte das lojas nos bairros sequer abriram as portas. Ainda na terça-feira à noite, após o anúncio da greve, universidades e escolas anunciaram que as aulas estavam suspensas e só retornam na terça-feira (22).
Eventos também foram suspensos ou cancelados, a exemplo da estreia da estreia da peça "A Paixão de Cristo", que ocorreria nesta noite. Bares e casas de shows também anunciaram que cancelaram todas as apresentações previstas. A prefeitura informou que, nesta quinta-feira (17), as repartições fecham as portas por ser ponto facultativo.

Prisões e boatos

Durante o dia, a Polícia Militar prendeu pelo menos 34 pessoas acusadas de arrastões durante a noite de terça e esta quarta-feira em Salvador. No bairro da Liberdade, 26 pessoas foram presas, acusadas de arrombamentos e saques a estabelecimentos comerciais. Elas estavam com roupas, eletrodomésticos e outros itens que foram recuperados e devolvidos aos comerciantes. Mais cedo, oito pessoas foram presas por tentarem promover arrastão na orla.
Outra preocupação das autoridades foi desmentir boatos, como um possível arrastão na avenida Sete e a invasão à sede da cavalaria em Feira de Santana. Para isso, o governo usou a hashtag "#émentira" nas redes sociais oficiais para orientar a população.
Em nota, a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) na Bahia criticou os boatos e pediu que governo e policiais cheguem logo a um acordo e "combatam a disseminação de boatos, especialmente pela internet, evitando provocar pânico na população e os prejuízos dele decorrentes." (Uol)
Leia Mais ►

Policial militar baleado em bar pode ter sido vítima de vingança

Delegado responsável pelo caso também trabalha com hipótese de tentativa de roubo
Mesmo ferido, militar continuou em pé com arma na mãoRecord Minas
O soldado da Polícia Militar que foi baleado em um bar do bairro Anchieta, na região centro-sul de Belo Horizonte, pode ter sido vítima de vingança.
De acordo com a assessoria da Polícia Civil, o delegado responsável pelo caso, Samuel Neri, da 3ª Delegacia de Polícia Civil da Regional Sul, trabalha com duas linhas de investigação. A  segunda hipótese seria de tentativa de roubo. Porém, o policial informou que ainda é cedo para concluir algo ou apontar suspeitos.
O crime ocorreu na madrugada do último sábado (12), quando o soldado Ciro César Oliveira Nésio, de 28 anos e lotado na 6ª Companhia do 1º Batalhão da Polícia Militar, e os clientes Bruno Gomes Freire, de 32, e Cláudia Oliveira Menezes, de 33, foram baleados. As vítimas foram feridas depois que três homens armados invadiram o bar, onde o policial, que era o alvo, conversava com amigos. O policial ainda tentou correr para escapar dos tiros em sua direção, mas acabou atingido por quatro disparos. Os outros clientes foram acertados na mão e na perna e socorridos junto com o militar.
Freire e Menezes receberam alta do Hospital de Pronto-Socorro João 23 no próprio sábado. Já o soldado foi transferido para o Hospital Militar, onde permanece internado e não corre risco de morte. Ele foi baleado no pulmão.
Antes de ser atendido, o policial chegou a dizer para colegas de trabalho que não havia discutido com ninguém ou que teria recebido ameaças.
Imagens de câmeras de segurança do estabelecimento foram recolhidas para serem analisadas. Os autores do crime fugiram em um Fiat Uno e ainda não foram identificados ou presos. (R7)
Assista ao vídeo:

Leia Mais ►

Sargento da PM é preso com 103 kg de maconha na Grande BH

Policial ajudava traficante a fugir de blitz, segundo delegada; apreensão ocorreu em Juatuba


Márcio Eustáquio foi o único preso que falou com a imprensaRecord Minas / Reprodução
Um policial militar, a mulher, o sobrinho e outras cinco pessoas foram presas em flagrante em Juatuba, na região metropolitana de Belo Horizonte, com 103 kg de maconha. O caso foi esclarecido nesta quarta-feira (16) pela Polícia Civil.
Há um mês, o grupo alugou uma casa no bairro Castelo Branco para armazenar a droga, que saía do Mato Grosso do Sul para ser distribuída na Grande BH. Segundo a delegada Alessandra Wilke, Gustavo Henrique Muniz Nascimento de Oliveira, o Gustavinho, de 22 anos, é sobrinho do PM e responsável pela distribuição da droga.


— Eles escolheram a casa em um bairro tranquilo, onde não há ocorrências e qualquer carro diferente levanta suspeita, para tentar confundir a polícia. O sargento da PM, que é tio do Gustavinho, tinha a função de assessorar as atividades dele. Como o suspeito tinha mandado de prisão em aberto por tentativa de homicídio, o PM fazia o transporte dele para evitar que fosse preso em uma blitz, por exemplo.



A mulher do policial militar, Eurene Barroso, 46 anos, também foi detida por participação no esquema. Dois presos são do Mato Grosso do Sul e os outros moravam em Contagem. São eles: Marcio Eustáquio de Oliveira Luz, o Fareja, de 28 anos, Jaaziel da Rocha Torres, 41 anos, Roney Camilo Rodrigues, 24 anos, Aparecido Santos Araújo, Nego, de 21 anos, Ricardo Golart Escobar, o Donatelo, 22 anos.



O sargento da PM não teve o nome divulgado pela Polícia Civil. Para os investigadores, ele afirmou que só ia levar o sobrinho até a casa e que não sabia do envolvimento com tráfico de drogas. A corporação ainda não se pronunciou sobre o caso.

Um carro e 450 pinos para armazenar cocaína também foram apreendidos. De acordo com a polícia, esta foi a maior apreensão de drogas já ocorrida na cidade. (R7)

Leia Mais ►

Quadrilha que distribuía maconha é presa com quase meia tonelada

sagaz
Além das drogas e do dinheiro, polícia ainda apreendeu uma pistola 9 mm e mais de 100 chips de celular

No total, quatro homens foram detidos com 472 kg de maconha, que foi trazida do Mato Grosso do Sul em um caminhão

sagaz
Além do líder do bando, seus dois parceiros e o caseiro do sítio também acabaram presos

Com uma investigação de apenas 15 dias, uma equipe da Divisão de Operações Especiais (Deoesp) da Polícia Civil conseguiu apreender quase meia tonelada de maconha e prender os quatro integrantes de uma quadrilha que fornecia a droga para Belo Horizonte e região metropolitana. Por causa disso e, também, por um dos integrantes se achar esperto demais, a operação que culminou na prisão dos suspeitos em uma festa de família foi denominada "Operação Sagaz".

Segundo o chefe do Deoesp, Wanderson Gomes, eles estavam investigando uma suspeita de roubo de cargas quando acabaram identificando que, na verdade, a quadrilha atuava era no tráfico. "Investigávamos o Roberth Afonso Morais, de 28 anos, o Betinho, por causa de cargas e acabamos descobrindo que ele atuava no tráfico no bairro São Francisco, na região da Pampulha", explicou o policial. 
Durante a investigação, os policiais receberam a informação de que Morais havia partido para Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, em um caminhão, e que voltariam com drogas. O suspeito retornou para a cidade na madrugada do último dia 10, quando se encontrou com seus dois comparsas, Cléber Antonio de Moura, o Bill, de 32, e Fábio da Costa Silva, o Gordo, de 26.
Com os companheiros em dois carros, como batedores, a quadrilha levou a meia tonelada de maconha para um sítio em Esmeraldas, na grande BH. Da chegada à capital até o dia das prisões, na última segunda-feira (14), os traficantes chegaram a revender parte da droga. "Eram distribuidores, não vendiam no varejo", explicou o delegado responsável pela investigação, Tiago Machado. Morais era o "cabeça" do bando.
No dia 14, os policiais se aproveitaram de uma festa em família, realizada em um sítio alugado em Ribeirão das Neves, na região metropolitana, para conseguir prender os três suspeitos juntos. "Com a prisão, eles revelaram onde ficava o sitio em Esmeraldas e onde estavam guardados os 472 kg de maconha que ainda sobravam. Com eles, nós encontramos R$ 40 mil, provavelmente vindo da droga que eles já haviam vendido", disse o delegado. Os suspeitos já tinham passagem pela polícia.
Além das drogas e dos R$ 40 mil, a polícia ainda apreendeu um Fiat Uno, uma pick-up Strada e um Volkswagen Polo dos suspeitos. Cerca de cem chips de celular também foram apreendidos. "É mais fácil comprar um chip do que um sorvete no Brasil, não tem nenhuma fiscalização sobre quem compra e é muito usado por bandidos", disse Wanderson Gomes.
Caseiro
Além disso, no sítio, os policiais identificaram Antônio Pereira Nunes, de 60 anos, que trabalhava como caseiro do local. O senhor também acabou preso, uma vez que recebeu R$ 10 mil e uma pistola 9 mm de fabricação israelense como pagamento pelo serviço. "Existem indícios de que esta não é a primeira vez que faz esse serviço para estes traficantes", explicou o delegado Machado.
Além disso, o caseiro já tinha passagem pela polícia, após ter assassinado a sua mulher há quatro anos. Em entrevista, Nunes confessou ter matado a mulher, mas não quis dar detalhes sobre por que cometeu esse crime.(Otempo)
Leia Mais ►

Soldado da PM e clientes são baleados em bar no Anchieta

O crime aconteceu na madrugada deste sábado e a suspeita da polícia é que o alvo seria o militar; durante os disparos, dois clientes acabaram sendo atingidos também


Cidades - Super - Do dia - Belo Horizonte MG
Tentativa de assassinato contra policial militar em cafe no sion

FOTOS: MARIELA GUIMARAES / O TEMPO 12.04.2014
Crime aconteceu no bar Café do Carmo, localizado na esquina das ruas Pium-i e Passa Tempo
Três pessoas ficaram feridas durante uma tentativa de assassinato em um bar no bairro Anchieta, na região Centro-Sul da capital, na madrugada deste sábado (12). O alvo seria um policial militar que estava fora de serviço e sentado em uma das mesas do estabelecimento. Os suspeitos fugiram.

De acordo com informações do sargento Paulo Armani, da 127ª Companhia do 22° Batalhão de Polícia Militar (BPM), os três suspeitos nem chegaram a anunciar o assalto e já chegaram atirando no soldado Ciro Nésio, lotado na 6ª Companhia do 1° BPM, o que levanta a suspeita de que o trio já tinha um alvo certo no local e o crime pode ter sido motivado por vingança.
BalaO crime aconteceu por volta de 2h30, quando três homens ainda não identificados, que estavam de bonés e camisas pólo, chegaram ao bar Café do Carmo, localizado na rua Pium-í, e passaram a atirar. O soldado, que estava no primeiro andar do bar, subiu para o segundo andar para fugir dos disparos, e duas balas acabaram acertando dois clientes que estavam ali, uma mulher e um homem que não se conheciam. Eles foram atingidos, respectivamente, na mão e na nádega, e foram socorridos. Os dois não correm risco de morte.
Já o militar foi atingido por dois tiros no tórax, um nas costas, um na mão e outro no braço. Ele foi socorrido e levado para o hospital de Pronto-Socorro João XXIII, onde também não corre risco de morte e está consciente.
Após o crime, os suspeitos fugiram em um Uno prata rumo a rua Passatempo e não forma mais localizados. As imagens das câmaras de segurança do bar e de estabelecimentos vizinhos que flagraram a ação dos suspeitos já estão em poder da polícia.
A arma do soldado foi apreendida e será periciada para constatar se houve troca de tiros.
Depoimento
A mulher de Ciro, Milene Maria Oliveira, 26, com quem tem um filho de 4 anos, contou que os dois estão juntos há 8 anos, e que ela mora em Barbacena, onde também mora toda a família do policial. O soldado vai sempre para a cidade, é evangélico, e nos quase seis anos que têm de Polícia Militar, nunca havia sido baleado. 
"Ele é uma pessoa muito tranquila, eu nunca vi ele discutindo com ninguém, nem sequer, levantando a voz para alguém. Ele também não recebia telefones de ameaças. É um paizão, o nosso menino nem sabe o que aconteceu. O Ciro é evangélico e sempre quis ser policial, ele ama o que faz, e sempre põe fé em Deus", contou, emocionada.
Milene também contou que ao ver o marido no hospital, as únicas palavras que ele conseguiu dizer a ela foram: "eu estou bem".
O policial passa por uma cirurgia na manhã deste sábado por causa da fratura exposta no braço causada por um dos disparos. ( Otempo)
Leia Mais ►

"Ela morreu e eu não estou nem aí", diz suspeita de matar colega com óleo quente

Luercilaine das Neves Delfino, de 29 anos, não demonstrou arrependimento
Mulher foi descrita como "fria" pela políciaRecord Minas
A mulher suspeita de matar a colega de quarto com óleo fervendo não se mostrou arrependida de ter cometido o crime. Luercilaine das Neves Delfino, de 29 anos, foi presa em Vitória, no Espírito Santo, e transferida para Belo Horizonte, onde foi apresentada pela Polícia Civil.
— Ela queria muita desgraça para mim, eu fiquei atordoada. Ela morreu e eu não estou nem aí.
O crime ocorreu no dia 15 de março do ano passado, em Santa Luzia, na Grande BH. Tatiele Pereira de Matos, 21, foi ferida com óleo quente no rosto. De acordo com testemunhas, Luercilaine tinha um temperamento difícil, motivo apontado como gerador dos atritos entre as colegas de quarto. A suspeita teria chegado até a misturar cloro em uma garrafa de água para que Tatiele bebesse, em uma ocasião anterior ao crime.
O conflito teria se acirrado pelo fato de Tatiele ter o costume de dormir com a luz acesa, já que tinha medo do escuro. O hábito teria irritado Luercilaine, levando-a a cometer a agressão que resultou na morte da vítima, durante um momento de descontrole.
Fria, a mulher explicou porque matou a colega de quarto.
— Eu acabei agindo com a Tatiele mais ou menos do jeito que ela estava agindo comigo. Ela estava com raiva de mim, eu fiquei com raiva dela e perdi a cabeça.
A vítima chegou a ser hospitalizada em estado grave, devido às queimaduras que deformaram seu rosto e comprometeram órgãos vitais. Tatiele ficou quase um mês internada, mas não resistiu aos ferimentos. As duas dividiam um quarto de pensão com outras duas colegas há mais de um mês.
Indiciada por homicídio duplamente qualificado, quando o motivo é torpe e com recursos que impossibilitam a defesa da vítima, a suspeita permanecerá presa, à disposição da Justiça, no Ceresp Centro-Sul até o julgamento. Ela pode pegar de 12 a 30 anos de prisão. (R7)

Leia Mais ►

RIO: Favela da Telerj - PM começa reintegração de posse e moradores reagem; ônibus e viatura são incendiados

Confronto começou por volta das 5h; policiais foram vítimas de pedradas
Reprodução/Rede Record
A Polícia Militar iniciou por volta das 5h desta sexta-feira (11) a operação de reintegração de posse do terreno pertencente a uma companhia telefônica, no Engenho Novo, zona norte do Rio de Janeiro.
Aproximadamente 1.500 agentes participam da ação. O local, que foi ocupado no fim do mês passado por pelo menos 5.000 pessoas, já vinha sendo chamado de favela da Telerj e o crescimento do número de barracos era acelerado.
Revoltados, invasores entraram em confronto com os policiais, que lançaram bombas de efeito moral. Pelo menos três PMs foram atingidos por pedras. Um menino de nove anos inalou fumaça e precisou ser atendido por bombeiros. Ele foi liberado em seguida.
Um ônibus, dois caminhões e uma viatura da Polícia Militar foram incendiados durante o tumulto. Outros veículos, inclusive ônibus da PM e carros da imprensa, foram apedrejados.
Em razão da operação, algumas ruas no entorno do terreno foram fechadas. De acordo com o Centro de Operações, a rua Sousa Barros foi bloqueada e o trânsito desviado pelas ruas Propícia e Silva Freire. A avenida Dom Hélder Câmara também foi interditada nos dois sentidos, próximo ao acesso para o viaduto de Benfica. 
O motorista que tentava acessar a rua Dois de Maio era obrigado a seguir pela Álvares de Azevedo. Outras ruas do entorno também foram desviadas. Por conta disso, o trânsito era intenso nas ruas Arquias Cordeiro, 24 de Maio e avenida Marechal Rondon. (R7)
Leia Mais ►

Greve geral argentina cancela pelo menos 19 voos do Brasil

Chefe de sindicato diz que mais de 1 milhão de trabalhadores aderiram ao movimento


Argentina Strike
Revolta. Primeiro dia de paralisação registrou confrontos
entre manifestantes e polícia na capital
Buenos Aires, ArgentinaA greve geral iniciada nesta quinta na Argentina impediu o uso de transporte público pela população e levou ao cancelamento da maioria dos voos que iria de capitais brasileiras para Buenos Aires, de acordo com o site da Infraero. A paralisação foi convocada pela ala da Central Geral de Trabalhadores (CGT), pela CGT Azul e Branca e pela Central dos Trabalhadores Argentinos (CTA).

Quatro voos para Buenos Aires da empresa Aerolineas Argentinas, que sairiam do Aeroporto Internacional Tom Jobim, foram cancelados. Outros quatro que chegariam ao Rio de Janeiro vindos da capital argentina também estão cancelados.
A TAM informou que cinco de seus voos foram cancelados. Dois deles partiriam de Guarulhos em direção a Buenos Aires, e três fariam a rota inversa. Já a Gol precisou cancelar todos os seus seis voos para a capital argentina programados para esta quinta-feira. Segundo a empresa, os passageiros das rotas canceladas foram realocados para outros voos previstos para esta sexta-feira, que têm como destino outros aeroportos.
As duas maiores companhias brasileiras informaram ainda que o impacto ocorreu apenas no aeroporto Jorge Newbery (Aeroparque), e as operações nos terminais de Buenos Aires/Ezeiza e Rosário não foram afetadas.
Na greve geral de 2012 – a primeira desde que os Kirchner chegaram ao poder, em 2003 –, as companhias aéreas argentinas cancelaram voos ao Brasil e do Brasil à Argentina. Foi o maior protesto em dez anos e marcou o rompimento de parte do movimento sindical argentino com o governo.
Demandas. Os grevistas dizem que o governo argentino subestima o movimento e ignora a realidade, na qual 35% dos trabalhadores do país não estão oficialmente registrados. Os sindicatos querem negociações salariais sem teto máximo, aumento para os aposentados, revogação do imposto aplicado aos salários e distribuição de fundos que o Estado deve aos prestadores de saúde dos sindicatos. (OtempoOnline)
Serviço
Se você está partindo para a Argentina ou retornando, confirme seu voo. 

Gol. No Brasil, ligue para 0800 704 0465. Na Argentina, para 0810 2663 131. 

TAM. No Brasil ligue para 4002-5700 (capitais)ou 0300-570-5700 (demais localidades). Na Argentina, o número é 0810-333-3333. 

Aerolíneas. No Brasil, ligue 0800-7073313. Na Argentina, 0810-22286527.
Leia Mais ►

Adolescente é amarrado após ser pego furtando fios de cobre

"Justiceiros" que amarraram o jovem agiram em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte; adolescente tinha 40 passagens por furto


JUSTIÇA COM AS PRÓPRIAS MÃOSMenos de três dias após um homem de 31 anos ter sido amarrado e agredido por pessoas que testemunharam o momento em que ele assaltou e agrediu uma jovem de 20 anos, no bairro Carlos Prates, na região Noroeste de Belo Horizonte, os chamados "justiceiros" voltaram a agir em Minas Gerais. Nesta quinta-feira (10), um adolescente de 17 anos foi flagrado furtando fios de cobre e foi amarrado até a chegada da polícia. Este já é pelo menos quarto caso de ladrões sendo amarrados somente neste ano.

De acordo com soldado Leandro Dornelas, da 1ª Companhia Independente da Polícia Militar (PM), dois jovens foram vistos quando furtavam os fios de cobre, sem ligar para o movimento, em um lote da rua Montreal, no bairro Jardim Canadá. O local serve de depósito de uma empresa que aluga contêineres. 
justiça com as próprias mãos
Quando um grupo de moradores da região percebeu o que acontecia, eles correram atrás da dupla, sendo que somente o adolescente foi alcançado. Revoltados, os moradores amarraram o jovem com cordas e fita adesiva a um contêiner. 
Ainda conforme o soldado Dornelas, assim que a viatura chegou ao local, encontrou o jovem já amarrado. "Ele não chegou a ser agredido e confessou o crime. O interessante é que ele completa 18 anos nesta sexta-feira (11). Ele já tem outras 40 passagens por furtos", afirma o policial.
Após ser detido, o adolescente foi levado para a 3ª Delegacia de Polícia Civil de Nova Lima. 
Os outros casos
No último dia 7 de abril, uma jovem de 20 anos chegava para trabalhar quando foi empurrada no chão por dois criminosos que tentaram roubar sua bolsa. Revoltadas, testemunhas conseguiram correr atrás e pegaram Davidson Messias Mariel, de 31. Ele foi amarrado e espancado pelas testemunhas antes de ser detido. 
Já no dia 26 de fevereiro, um caso semelhante foi registrado no bairro Santo Antônio, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Um adolescente teria sido flagrado tentando furtar objetos após quebrar o vidro de um carro estacionado. Pessoas que passavam pelo local conseguiram detê-lo e o amarraram em um poste. 
Entretanto, antes da chegada da polícia, uma motocicleta parou no local e resgatou o jovem, que não chegou a ser enquadrado pelo crime. Pouco tempo antes, no dia 20 de fevereiro, foi registrado um outro caso, no bairro Funcionários, também na região Centro-Sul.
Operários de uma obra teriam presenciado o momento em que o jovem roubou uma adolescente. Ele foi amarrado em um orelhão com as pernas para o alto  e agredido com chutes e socos até a chegada da polícia. 
Crime
Embora muitos apoiem ações como essas, fazer justiça com as próprias mãos é considerado um crime. Conforme o artigo 345 do Código Penal "fazer justiça pelas próprias mãos, para satisfazer pretensão, embora legítima, salvo quando a lei o permite: Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa, além da pena correspondente à violência", diz o artigo.
Entretanto, se não há emprego de violência, somente se procede mediante queixa. (OtempoOnline)
Leia Mais ►

Dono de carro flagra ladrão no ato e impede roubo do veículo

O homem tirou a chave da ignição pela janela do automóvel, naregião metropolitana de BH

Ladrão saiu correndo quando vítima tomou a chaveRecord Minas
Um ladrão tentou roubar um carro na Praça da Cemig, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, mas foi surpreendido porque a vítima reagiu e conseguiu pegar a chave do veículo de volta. O crime aconteceu em plena luz do dia, em um local de muita movimentação.
O bandido entrou no carro, que estava estacionado, e deu marcha à ré para sair. O dono do veículo entrou em uma luta corporal com o homem, colocou a mão dentro do carro pela janela e conseguiu arrancar a chave da ignição.
As imagens de uma câmera de segurança mostram que o ladrão foge correndo no fim da confusão. (R7)
Leia Mais ►

Vergonha: Presos com 450 kg de cocaína em helicóptero da família Perrella já estão em liberdade

Piloto, copiloto e dois carregadores foram presos em novembro de 2013, no Espírito Santo


Aeronave foi interceptada no dia 24 de novembro de 2013Record Minas
Os quatro envolvidos no caso do helicóptero da família Perrella que foi flagrado com quase meia tonelada de cocaína no Espírito Santo, já estão em liberdade. O piloto da aeronave, Rogério Almeida Antunes, o copiloto Alexandre José de Oliveira Júnior e dois carregadores, Robson Ferreira Dias e Everaldo Lopes de Souza, tiveram alvará de soltura expedido pela Justiça na última segunda-feira (7) e foram soltos na noite dessa terça-feira (8). Porém, conforme o advogado de Antunes, Paulo Rocha, o Ministério Público Federal ainda pode recorrer da decisão.
Quatro envolvidos deixaram a cadeia na noite dessa terçaRecord Minas
Segundo a assessoria de imprensa da Justiça Federal do Espírito Santo, o juiz Marcus Vinícius Costa deliberou sobre o assunto durante audiência de instrução realizada na segunda. Em sua decisão ele alegou que "fatos trazidos a estes autos na audiência passada merecem exame detalhado pelas defesas dos réus, assim como definição pela Procuradoria Geral da República acerca do órgão ministerial que deverá atuar nestes autos". O magistrado ressaltou ainda que os réus estão detidos há mais de quatro meses, ocorrendo um "excesso de prazo" e, desta forma, revogou a prisão preventiva.
Para o advogado, os fatores que levaram o juiz a determinar liberdade aos envolvidos são complexos. Rocha explica que novas informações relativas às investigações da Polícia Federal demonstraram que o processo deve levar mais tempo para ser resolvido. Diante disso, o defensor entrou com requerimento de relaxamento da prisão no último dia 4. Para ele, há indícios de irregularidade nas apurações.
— Ilegalidade essa que tem poder, se confirmada, de tornar nula a prisão em flagrante. Não tem o poder de anular no processo, ele vai continuar. Mas agora, eles [os envolvidos] têm a oportunidade de se defenderem em liberdade.
Para o advogado, as ações da Polícia Federal durante as apurações e monitoramento do caso precisam ser investigados. Ele acredita que a interceptação telefônica feita pela corporação possa ter sido ilegal e prejudicado o piloto. Rocha alega que "é possível que ele seja uma vítima e não mais um transportador de drogas". Segundo ele, a Polícia Federal tinha condições de abortar a operação antes mesmo de o helicóptero levantar voo e o nome de Antunes ser envolvido no esquema.
— Se a questão estava sendo monitorada há tanto tempo, estas pessoas poderiam ter sido presas no momento em que estavam recebendo essas drogas. A PF sabia que o Rogério vinha sendo insistentemente procurado todos os dias para ser convencido a fazer um frete sem tomar conhecimento do que estava transportando, embora estivesse tentando se esquivar.
O advogado apontou ainda que "a questão da existência ou não de interceptação telefônica, e se esta foi ilegal ou não, oficialmente, e inicialmente, realmente foi trazida aos autos pelo Ministério Público Federal, isto em dezembro de 2013".
No entanto, o delegado Leonardo Damasceno, responsável pelas investigações na época do inquérito, rebateu os argumentos do advogado do piloto.
— Primeiro: nós não comentamos decisão judicial. Segundo: o juiz tomou a decisão não foi a pedido da defesa. Esta alegação não existe [sobre ilegalidade nas investigações], não foi feita pela defesa. Nós não interceptamos ninguém, isso é falso e mentiroso.
Entenda o caso
O piloto da aeronave, Rogério Almeida Antunes e outras três pessoas foram presas pela Polícia Federal na cidade de Afonso Cláudio (ES) no dia 24 de novembro enquanto transferiam a droga para o porta-malas de um carro. Os entorpecentes estavam avaliados em R$ 10 milhões.
O helicóptero, do modelo Robinson R66, está registrado em nome da Limeira Agropecuária e Participações Ltda, que é controlada pelo deputado, com sede em Pará de Minas, região central do Estado.

Leia Mais ►

Bandido se passa por mendigo para despistar polícia, mas acaba preso

Suspeito espalhou papelões na porta de uma loja, deitou e tentou arrombar a porta
"Falso mendigo" conseguiu arrombar a porta da lojaRecord Minas
Um "falso mendingo" acabou preso depois de tentar roubar uma banca de revistas em uma galeria de lojas no Barro Preto, região centro-sul de Belo Horizonte. A ação do rapaz foi registrada por câmeras de segurança.
Fingindo ser morador de rua, o suspeito espalha papelões no chão, em frente à porta do comércio. Ele deita e começa a forçar uma alavanca para tentar arrombar o portão. Um homem que passeava com um cachorro passa pelo local e o criminoso disfaçar. Desconfiada, a testemunha vai embora.
O bandido consegue quebrar o portão e entrar no estabelecimento, mas a Polícia Militar é acionada. O rapaz tentou fugir ao perceber a chegada dos militares, mas acabou preso em flagrante. (R7)
Leia Mais ►

Assaltantes roubam armamento restrito em quartel no Norte de Minas

Suspeitos desligaram a cerca elétrica e entraram pelo telhado; até o momento, ninguém foi preso


A polícia procura pelos suspeitos de invadir um quartel da Polícia Militar (PM) e roubar armas de uso restrito em Urucuia, no Norte do Estado.
De acordo com a Polícia Civil, os assaltantes entraram no local durante a madrugada desta terça-feira (8). Eles desligaram a chave do disjuntor do sistema de energia para desativar a cerca elétrica, pularam o muro e entraram pelo telhado, que dá acesso direto à sala onde o material estava armazenado.
Foram roubados um fuzil, uma pistola .40, dois revólveres , munição e coletes à prova de balas. Ainda segundo a Polícia Civil, não há militares no local durante a noite e, por isso, ninguém viu a ação dos suspeitos.
O caso será investigado pela Delegacia de Polícia Civil de Arinos, que fica a 70 km de Urucuia.
Mais um caso
Em março, a Central Integrada de Escoltas de Ribeirão das Neves, que fica próxima ao Presídio Antônio Dutra Ladeira, na região metropolitana de Belo Horizonte, teve 45 armas roubadas durante a madrugada. Nove agentes que estavam na unidade foram dopados pelos criminosos.
Pelo menos 45 armas foram levadas, sendo 39 pistolas e 6 submetralhadoras, além de 1.344 balas de calibre .40 por criminosos, segundo o comando do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate). Ainda não se sabe quantas pessoas estão envolvidas no roubo e como eles conseguiram entrar no local que conta com agentes penitenciários. A Polícia Civil montou uma força tarefa para solucionar o caso. (OtempoOnline)
Leia Mais ►

Sem alarde, EUA já ajudam na segurança do Rio para a Copa

Missão norte-americana tenta afastar hipótese de preocupação especial com a cidade

D-G
Maré a mil. Enquanto o Exército ocupa o complexo, policiais do Rio fizeram ontem a reconstituição de uma operação do Bope que resultou na morte de nove civis e um sargento, em julho do ano 
Rio de JaneiroNo momento em que autoridades brasileiras veem crescer a possibilidade de greve nas polícias e diante da ameaça de protestos violentos durante os jogos da Copa do Mundo, o governo norte-americano informou que passou a colaborar com o Estado do Rio na área de segurança pública.
O assunto é tratado reservadamente pelo secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, e por uma missão diplomática dos Estados Unidos que desembarcou no país. Os americanos explicam a questão como “análise e troca de informações para a Copa”.
A presença de agentes estrangeiros no Brasil ocorre num momento delicado na diplomacia entre os dois países, depois da revelação, em julho do ano passado, que e-mails e telefonemas de cidadãos e empresas brasileiras foram espionados pela Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA).
Segundo explicou o Consulado dos Estados Unidos no Rio, as autoridades do país-sede dos jogos são responsáveis pela segurança do evento como um todo, mas “o governo dos EUA está cooperando com o governo do Rio”.
Num comunicado, o governo americano tentou afastar a hipótese de que exista uma preocupação especial com a situação do Rio, lembrando que a cooperação acontece também com autoridades de outros Estados no que se refere “aos preparativos na área de segurança para a Copa do Mundo”.
Dados em poder do comitê da organização dos jogos, da Fifa e do Ministério dos Esportes revelam que um grande número de norte-americanos estará no país para assistir aos jogos da competição. Muitos chegarão ao Brasil pelo Rio, onde serão disputadas sete partidas, todas no Maracanã: quatro na primeira fase, uma nas oitavas de final, uma nas quartas de final e, finalmente, o jogo da final, marcado para acontecer no dia 13 de julho. Já a seleção americana, que está no grupo G, terá na primeira fase que disputar partidas nas cidades de Manaus, Natal e Recife.
A Fifa divulgou em seu site que, de acordo com a última contagem, 284.597 pessoas se apresentaram para comprar bilhetes para a Copa do Mundo. Os torcedores brasileiros continuam sendo os que mais solicitaram ingressos (207.649), seguidos dos norte-americanos (20.9810 entradas) e colombianos (5.901). O governo americano confirmou que enviou agentes de segurança diplomática para cooperar com autoridades policiais e de segurança do país e garantiu que “este é o procedimento padrão utilizado pelos EUA em eventos esportivos de grande porte, como a Copa do Mundo aqui no Brasil, momento em que teremos milhares de cidadãos norte-americanos, atletas da seleção, patrocinadores do evento e integrantes da imprensa dos EUA por um período longo de tempo”.
Pelo menos 500 mil pessoas credenciadas irão passar pelo crivo da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Ataques de traficantes e protestos marcados pelas redes sociais para acontecer durante a Copa, principalmente no Rio, elevaram o nível de preocupação da Abin e fizeram as Forças Armadas multiplicarem o efetivo de militares que farão a segurança do evento.
Ruas sitiadas
Efetivo. Dos 57 mil homens das Forças Armadas, 21 mil militares do plano de contingência ficarão de prontidão nos quartéis, para o caso de haver necessidade de substituir policiais em greve. (OtempoOnline)
Leia Mais ►

Brasil aumenta cada vez mais a importação de armas

Estudo internacional mostra um crescimento de 65% na importação de armamentos do país

O gasto com armamentos do Brasil está aumentando vertiginosamente. Nos últimos cinco anos, somente em equipamentos de grande porte, o país gastou – ou prometeu pagar – mais de R$ 40 bilhões por cinco submarinos franceses (um deles com propulsão nuclear), 36 caças de combate com velocidade supersônica suecos e 2.044 tanques (cuja nacionalidade é uma incógnita.

Graças a essas e outras aquisições, as importações do país aumentaram 65% nos últimos cinco anos (em comparação com os cinco anteriores). Nesse mesmo período, as importações bélicas em todo o mundo aumentaram somente 14%. Segundo informações do Ministério da Defesa, o gasto total com armamentos subiu 243%. 

Esse aquecimento do setor bélico brasileiro é um cenário com o qual o país não está acostumado. Antes de 2008 (e desde o fim da Ditadura Militar), as Forças Armadas contavam com pouquíssimos investimentos e não havia perspectiva de uma mudança. Porém, a situação começou a mudar em 2008, com a publicação do Decreto n° 6703, assinado pelo ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva. O decreto aprovava a Estratégia Nacional de Defesa (EAD), que previa a “transformação das Forças Armadas” para “melhor defenderem o Brasil.”

Com o incentivo, o setor começou a receber investimentos – em grande parte necessários – para substituir equipamentos antigos. O encorajamento ao armamento do país não parou por ali.

Em 2012, a presidente Dilma Rousseff assinou a Lei nº 12.598/12 que “estabelece normas especiais para compras, contratações e desenvolvimento de produtos e de sistemas de defesa”. Entre outras regalias, há a desoneração para o setor de Defesa, dos impostos IPI, Pis/Pasep e da Cofins.

O aumento considerável que vemos no setor de Defesa hoje é resultado dessas políticas, e ele não passou despercebido pela comunidade internacional. Em seu último relatório de Tendências na Transferência Internacional de Armas de 2013, o Instituto de Pesquisa pela Paz Internacional de Estocolmo (Sipri, na sigla em inglês) chama a atenção para o aumento na compra de armas praticado pelo Brasil e um de seus pesquisadores sênior, Siemon Wezeman questiona que uso o país teria para um submarino com propulsão nuclear. “Me parece que o dinheiro que está sendo gasto na compra e operação de novos equipamentos seria mais bem-utilizado em outras áreas”, disse à reportagem de O TEMPO.

É em meio a esse aquecimento sem precedentes do setor bélico que o ministro da Defesa Celso Amorim declarou, no último mês, que o país precisa de realocar mais recursos para as Forças Armadas. “As necessidades são muitas, sobretudo se o Brasil quiser ter a projeção nacional que deseja e se quiser defender seus recursos e soberanias sem depender de ninguém”, disse Amorim à “Folha de S.Paulo”. O ministro viaja neste mês à Suécia para finalizar a negociação de compra dos caças Gripen. (Otempo)
Leia Mais ►

Policiais militares de Minas Gerais denunciam perseguição de superiores

As denúncias envolvem a alta cúpula da corporação
Seis PMs encabeçaram as denúnciasRecord Minas
Seis policiais militares fizeram denúncias de assédio moral, perseguição e ameaças dentro dos batalhões em reunião da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais nesta quarta-feira (2).  
Sônia de Jesus Samora está entre os prejudicados. Ela foi afastada do cargo de terceiro sargento e punida por ato grave de indisciplina por discordar de uma opinião do comandante corregedor da policia.  
— Foi uma palavra que eu disse a ele de forma discilplinada, de forma correta e digna. Ele só não aceitou o que eu disse em relação ao trabalho. Após isso, recebi três comunicações disciplinares por falta de serviço sem eu ter faltado nenhum dia.  
As denúncias foram levadas ao Ministério Público e envolvem a alta patente da PM no estado.  
O deputado estadual Sargento Rodrigues mostrou um painel administrativo onde os policias se comunicam pela intranet da PM. No documento uma coronel manda mensagens para o Tenente Coronel Cleinis de Alvarenga Mafra, médico chefe da Junta Central de Saúde da corporação, recomendando a ele algo sobre a situação clínica de um capitão da ativa.  
De acordo com o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia, Durval Ângelo, o Conselho Federal de Medicina precisa intervir na Junta Médica.  
— A junta médica central age com perseguição, se subordina aos desejos de superiores e ao mesmo tempo age na ilegalidade.   Os comandantes do policiamento do estado, da ouvidoria e da corregedoria nao quiseram gravar entrevistas. Eles disseram que estes são casos internos e não de interesse público. (R7)
Leia Mais ►

Policial militar reage e mata assaltante na Pampulha [Que Ótimo]

Criminoso estava armado e foi baleado duas vezes no pescoço


Área foi isolada pela políciaRecord Minas
Um cabo da Polícia Militar reagiu a uma tentativa de assalto e matou o criminoso nesta quinta-feira (3) na região da Pampulha, em Belo Horizonte. A vítima foi baleada duas vezes no pescoço.
O crime ocorreu no bairro Santa Terezinha. O militar, do 2º Batalhão de Missões Especiais de Contagem, na Grande BH, estava procurando um mecânico para resolver um problema no painel do carro quando foi abordado.
Quando o assaltante sacou o arma, o policial foi mais rápido e atirou. A vítima, de 28 anos, chegou a ser socorrida até a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do bairro, mas morreu a caminho. O rapaz já tinha sido preso por assalto.
O militar, que está na corporação há 12 anos, foi encaminhado até a 23ª Aisp (Área Integrada de Segurança Pública) para prestar esclarecimentos. (R7)




Leia Mais ►