Policiais Civis em greve devem se reunir com governo do Ceará nesta sexta-feira

Foto: Sinpoci/divulgação - Uol Noticias
91c868a1f83abe62f58e0c63e627ea0f.jpg
Carro bloqueia entrada da superintendência da Polícia Civil, no Centro de Fortaleza
Os policiais Civis do Ceará devem se reunir ainda nesta sexta-feira (6) com representantes do governo do Estado, para debater as reivindicações da categoria e um possível acordo para o fim da greve. Em reunião na noite de quinta-feira (5), os policiais civis definiram uma nova negociação com o governo e dizem que se Cid Gomes aceitar, eles retornam às atividades em 24 horas (mesmo prazo concedido pelo governo para o retorno das atividades dos policiais militares).


A proposta tem as seguintes cláusulas:

"
1) Não punição ao policial civil que participou do movimento grevista desde julho de 2011;

2) Devolução do dinheiro dos 199 policiais civis que tiveram seus salários descontados no início do mês de dezembro de 2011;

3) Alteração do artigo 35, referente às promoções a policiais civis que tenham nível superior. A diretoria almeja a retirada desse artigo para que a lei possa beneficiar a todos os policiais civis, não somente aos que tenham nível superior. Assim como dos artigos 1º e 4º da mesma lei, que, segundo o Sinpoci "prejudicaram" os operadores de telecomunicações policiais e técnicos de telecomunicações policiais.

4) Hora-extra constitucional.

5) Extinguir o serviço extraordinário. Caso as horas trabalhadas excedam às 40 horas, será analisado como hora-extra.

6) Reajuste salarial. Salário do policial civil equivalente a 60% do subsídio de um delegado, que é R$  7.500".

O documento foi preparado pelo Sindicato dos Policiais Civis do Ceará (Sinpoci), durante reunião que teve particiapção do representante da Anistia Internacional, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, seção Ceará, representantes de entidades sindicais.

ALTERNATIVA - Como alternativa para os trabalhos paralisados dos policiais civis nas delegacias no Ceará, o governo do estado solicitou o envio de 23 escrivães federais. O exército confirmou na noite de quinta-feira (5) a solicitação, e que aguardam mais reforços para a situação no estado.

INÍCIO - A terceira paralisação dos policiais civis em menos de um ano começou na noite de terça-feira (3), após assembleia da categoria, que se mostrou insatisfeita com a resolução rápida do governo do estado sobre a greve dos policiais militares. "Paramos por cinco meses seguidos e não conseguimos muitos avanços. A Polícia Militar parou por cinco dias e rapidamente estão tratando de atender as reivindicações. Por isso a categoria vai parar 100%", informou, no dia da paralisação, a assessoria do Sindicato dos Policiais Civis do Ceará (Sinpoci). A categoria já havia paralisado em julho e em outubro de 2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário