SGT REFORMADO É MORTO A PAULADAS NO NORTE DE MINAS


DO BLOG DO CABO JULIO

Conforme testemunhas, dia 31, na comunidade de Belvederes, município de Francisco Sá, o indivíduo Clayton Alves da Silva, 20 anos, solteiro, teria tentado matar a vítima Amaro Correia da Silva, 75 anos, aposentado. Chegando ao local, a guarnição constatou que a vítima foi encontrada caída ao solo, respirando, porém inconsciente e sangrando bastante. Ela teria sido agredida com um pedaço de madeira, que também teria sido usada para arrombar o veículo Ford Pampa que estava estacionado em frente a casa.A equipe SAMU teria comparecido ao local e encaminhada a vítima para Montes Claros, entretanto, antes de chegar ao HPS ela teria falecido em decorrência dos traumas na cabeça. A testemunha informou ainda que viu o suspeito Clayton evadindo do local do ocorrido. Durante rastreamento, foi localizado na casa da mãe do possível autor, dentro do banheiro, um boné com manchas de sangue e em um acesso ao matagal próximo, pertences deixados pelo suspeito. Policiais Militares do 50º BPM foram alocados para a região de Francisco Sá, onde o rastreamento continua.

7 comentários:

  1. " DIZER QUE VOÇÊ É UM MONSTRO É MUITO POUCO "

    ResponderExcluir
  2. VOCÊ TEM QUE MORRER DA MESMA MANEIRA, CADEIA PRA VOCÊ É POUCO.

    ResponderExcluir
  3. TODA VEZ QUE OLHO PRA FOTO DESSE ASSASSINO EU FALO EM VOZ ALTA........." SE DEPENDESSE DE MIM NEM SUA ALMA ESCAPARIA"

    ResponderExcluir
  4. Esse assassino ainda está solto.

    ResponderExcluir
  5. você vai não deveria nunca ter saído da sua no dia 30/03/2012.você vai pro lugar onde filho chora e mãe não ver.

    ResponderExcluir
  6. com certeza os direitos humanos ja conversou com ele,enquanto isso pergunto sera que foram visitar a familia do sgt.

    ResponderExcluir
  7. Até a presenta data nem o mandado de prisão foi expedido. Sou a filha do sgt que foi brutalmente assassinado......Ficamos a mercê desses canalhas, que roubam, matam e fica por isso mesmo.Paciência tem limites, e nós chegamos no nosso.Fizemos de tudo dentro da lei, mas, já que o Ministério Público se calou a história terá outro rumo agora.

    ResponderExcluir