PM acusado de matar homem no Aglomerado da Serra tem habeas corpus negado


Hoje em Dia
Os policiais militares acusados de assassinar dois moradores do Aglomerado da Serra, região Centro-Sul de Belo Horizonte, tiveram o pedido de habeas corpus negado pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). O advogado de Jason Ferreira Paschoalino foi quem entrou com a ação, mas o benefício poderia beneficiar Jonas David Rosa.

O advogado alegou que Jason estava preso há mais de 17 meses e, que isso caracterizaria excesso no prazo para a formação de culpa. No entanto, a 5ª Câmara Criminal negou a solicitação. O relator do recurso, desembargador Alexandre Victor de Carvalho, entendeu que o acusado não comprovou suas alegações por meio de documentos. “A manutenção da detenção dos envolvidos se justifica pela necessidade de resguardo da ordem pública e manutenção da paz social”, concluiu. 
 O crime ocorreu no dia 19 de fevereiro de 2011, quando policiais entraram na Vila Marçola, naquele aglomerado, como o intuito de combater o tráfico de drogas. Porém, após um tiroteio, o auxiliar de enfermagem Renilson Veriano da Silva, de 39 anos, e o menor Jeferson Coelho da Silva, de 17, que são sobrinho e tio acabaram sendo assassinados. Na ocasião, um policial ficou ferido e dois suspeitos morreram.

Nenhum comentário:

Postar um comentário