Policial civil pode estar envolvido na morte de primo do ex-goleiro Bruno


Sérgio Rosa Sales foi solto da Penitenciária
Dutra Ladeira em agosto do ano passado

Hoje em Dia
A morte de Sérgio Rosa Sales, primo do ex-goleiro Bruno Fernandes, assassinado com seis tiros no bairro Minaslândia, na última quarta-feira (22), pode ter envolvimento de um policial civil. Isso porque a apuração do crime foi repassada nesta segunda-feira (27) para a Corregedoria da Polícia Civil. Antes, o caso estava sob a alçada do Departamento de Homicídios de Proteção Pessoas (BHPP), mas segundo o delegado Wagner Pinto chefe do departamento a morte dele será investigada pela Corregedoria. Sérgio era peça fundamental no caso que investiga o desaparecimento da ex-modelo Eliza Samudio

A assessoria de imprensa da Polícia Civil não soube informar qual seria a razão da transferência da responsabilidade para a investigação do crime, mas confirmou que quando os casos são encaminhados para a Corregedoria deve-se ao fato de ter algum envolvimento de policial.


Suspeito
Um dos suspeitos é o policial aposentado José Lauriano de Assis Filho, o Zezé. Ele seria o contato que apresentou Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, a Luiz Henrique Romão, o Macarrão. O advogado da família de Eliza, José Arteiro, é quem defende o argumento de que o policial aposentado tenha relação com o crime. Porém, a promotoria afirma não ter provas para indiciar Zezé e, por isso, ele continua solto.

Prisão

Um homem que pode ter envolvimento na execução de Sérgio Rosa Sales, primo do goleiro Bruno, foi preso na tarde dessa sexta-feira (24), no bairro Minaslândia, região Norte de Belo Horizonte. A polícia prendeu o suspeito após denúncia anônima. No total, sete pessoas foram presas por envolvimento com o tráfico de drogas. Com eles, a polícia apreendeu três revólveres calibre .38, 173 pedras de crack, 62 buchas de maconha, além de tabletes de maconha, uma porção de cocaína e 30 munições de calibre .38. Eles teriam negado qualquer ligação com a morte do primo do goleiro Bruno e que a arma e as drogas não seriam deles.
 
O crime
 
Sérgio Rosa Sales foi assassinado na quarta-feira (22). De acordo com a Polícia Civil, ele era peça fundamental no caso que investiga o desaparecimento da ex-modelo Eliza Samudio. Em depoimento à polícia, o primo de Bruno revelou que a ex-amante do atleta teria sido morta. Depois Sérgio mudou de versão e disse que foi pressionado para falar sobre o crime.
 
Ele havia deixado a penitenciária Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves, no dia 11 de agosto de 2011. Sérgio respondia pelos crimes de homicídio triplicamente qualificado, sequestro, cárcere privado e ocultação de cadáver. Ele ficou 400 dias preso e, na época da saída, disse que se sentia "feliz e aliviado". O jovem foi morto perto de casa, na rua Aracitaba, esquina com rua Maria Madalena, quando saía para o trabalho. Há suspeita de que o homicídio tenha sido uma queima de arquivo, já que Sérgio era um dos envolvidos no caso do desaparecimento da modelo Eliza Samúdio. 

Entenda o caso
 
O ex-goleiro Bruno, que seria amante de Eliza Samudio, é acusado de encomendar a morte da modelo. O atleta, o amigo dele, Luiz Henrique Ferreira Romão, o "Macarrão", o primo Sérgio Rosa Sales - que foi assassinado nessa quarta-feira (22) - e Marcos Aparecido dos Santos, o "Bola", respondem aos crimes de homicídio triplamente qualificado, sequestro, cárcere privado e ocultação de cadáver.
 
Dayanne Rodrigues do Carmo Souza, na época mulher do atleta; Wemerson Marques de Souza, o "Coxinha"; Elenílson Vítor da Silva, e Fernanda Gomes de Castro, ex-namorada do jogador, respondem pelos crimes de sequestro e cárcere privado. O julgamento que definirá o futuro dos acusados não tem previsão de ocorrer.
 
Eliza Samudio está desaparecida desde o dia 4 de junho de 2010, quando fez um último contato telefônico com uma amiga. Segundo a polícia, ela foi morta e teve seu corpo esquartejado. No entanto, os restos mortais da ex-modelo não foram localizados até hoje.



Nenhum comentário:

Postar um comentário