Agências sem biombo lideram os casos de saidinhas de banco

Bancos insistem em manter unidades sem meio de proteção ao cliente

FOTO: ANGELO PETTINATI
Explicação. Comandante de policiamento da capital, coronel Rogério Andrade, mostra dados de saidinha à imprensa

OtempoOnline
Os clientes que estão em agências bancárias, cujos caixas não têm biombos, são o alvo preferido dos assaltantes que praticam o crime conhecido por saidinha de banco. Dados divulgados ontem pela Polícia Militar (PM) mostram que 95% dos casos ocorridos neste ano foram nos estabelecimentos que não têm o mecanismo de proteção. Entre janeiro e agosto deste ano, foram 588 casos na capital.

A região Centro-Sul de Belo Horizonte é o local preferido pelos bandidos. De acordo com a PM, são 117 registros entre janeiro e agosto. A região Leste de Belo Horizonte teve aumento nos casos na comparação entre o ano passado e este ano. São 76 casos em 2012 contra 68 em 2011 - um acréscimo de 11,8%. 

Depois de janeiro deste ano, quando houve um aumento de 35,2% nas saidinhas de banco em relação ao mesmo mês de 2011, a PM resolveu mudar a estratégia, numa tentativa de reduzir os casos. "Percebemos que era necessário manter a polícia perto das agencias bancárias e, desde então, estamos fazendo o possível", afirmou o comandante de policiamento da capital, coronel Rogério Andrade.

Ontem, 24 motos foram entregues à polícia para atuação no combate à saidinha de banco. Além disso, a PM diz estar orientando as empresas e pessoas para evitarem fazer saques de grandes quantias, utilizando mais os serviços bancários via internet. "Isso reduz a chance de um assalto, quando grandes valores são movimentados", explicou o coronel Rogério Andrade. 

A Secretaria Municipal Adjunta de Fiscalização é o órgão da prefeitura que verifica o cumprimento da lei municipal 10.200/2011, que estabeleceu a obrigatoriedade dos biombos nos caixas físicos, onde normalmente a movimentação de grandes valores em dinheiro é mais constante. Segundo a secretaria, desde junho foram vistoriadas 144 agências, sendo que 81 foram multadas no valor de R$ 53 mil. Numa segunda visita a 16 das agências multadas, foi constatado que todas elas ainda permaneciam irregulares, sendo notificadas mais uma vez.


QUEDAS. O índice do crime da saidinha de banco em Belo Horizonte caiu 26,4%, na comparação entre janeiro e agosto deste ano com o mesmo período do ano passado, de acordo com o balanço da PM. Em 2011, 799 crimes foram registrados até o mês de agosto contra 588 este ano. 

Ao longo dos oito primeiros meses do ano passado, a região com o maior índice de saidinhas foi o centro, com 165 ocorrências. Em 2012, houve redução de 36,4%, com 105 casos até julho passado. A região Oeste apresentou a maior queda - 47,6%. O levantamento indica também que, em 90% dos assaltos, o dinheiro levado era de empresas que pagariam seus funcionários.


Nenhum comentário:

Postar um comentário