Greve parou 90% das investigações da corporação

Mais um protesto foi feito ontem pela categoria no aeroporto de Confins

FOTO: ALEX DE JESUS
Manifesto. Cerca de 70 servidores percorreram ontem o saguão do aeroporto distribuindo panfletos

OtempoOnline
A greve da Polícia Federal (PF), que já dura 46 dias, paralisou 90% das investigações no Estado. A informação é do Sindicato dos Policiais Federais de Minas Gerais (Sinpef-MG). Segundo a entidade, a corporação tem se dedicado apenas a casos emergenciais ou ao cumprimento de ordens judiciais.

"Estamos atuando somente em situações muito específicas na parte de violência, como pessoas ameaçadas de morte. A parte de drogas, por exemplo, está toda parada", disse o policial e membro do comando local de greve, Rodrigo Porto. Segundo ele, apenas 30% dos profissionais estão trabalhando em Minas.

Ontem, cerca de 70 agentes, escrivães e papiloscopistas (peritos) percorreram o saguão do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na região metropolitana da capital, para protestar contra a burocracia do atual modelo de investigação da Polícia Federal. Carregando painéis com um elefante branco desenhado, para simbolizar a pouca efetividade da corporação, os grevistas distribuiram panfletos à população. Segundo o Sinpef-MG, apenas 4% das investigações resultam em denúncias por parte do Ministério Público. "Se o ministério não oferece a denúncia é porque nossa investigação não foi bem feita. Mas isso acontece porque há uma limitação estrutural", disse Porto. 

Os servidores pedem as reformulações da carreira e das condições de trabalho. Além disso, reivindicam aumento do piso salarial de R$ 7.200 para R$ 11 mil. Ninguém da Superintendência da PF foi encontrado para comentar o assunto.



Passaportes. Contrariando um comunicado divulgado pela Superintendência da PF na semana passada, que afirmava que a emissão de passaportes no Estado já estava normalizada, os grevistas informaram que cerca de 70% dos documentos acumulados já foram entregues, mas ainda existe fila de espera.

Nenhum comentário:

Postar um comentário