Após denúncia da Comissão de Direitos Humanos, major é transferido da Corregedoria para a PM 4

Do Site do Deputado Sargento Rodrigues
Foto da notícia
Major PM Paulo Roberto de Medeiros em audiência pública na ALMG
O ato de transferência do major PM Paulo Roberto de Medeiros para a PM 4 foi assinado nesta segunda-feira (01/10), pelo Comandante-geral da Polícia Militar, Coronel Márcio Martins Sant'Ana. Ele ocupava o cargo de chefe da Seção de Análise de Procedimentos Administrativos da Corregedoria, posto questionado pela Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, após receber denúncias de que ele havia afirmado que “90% dos policiais do Batalhão Rotam são ladrões”.

A manutenção do major na Corregedoria foi também criticada pelo deputado Sargento Rodrigues, que cobrou do Comando da corporação providências em relação ao assunto, uma vez que o oficial já foi preso por praticar furto em um supermercado.


Veja o ato:  




CORREGEDORIA BGPM RESERVADO n. 202 de 03/10/2012 Fl. 2

POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS

COMANDO-GERAL
CORREGEDORIA

BGPM RESERVADO n. 202/CPM

Belo Horizonte, 03 de outubro de 2012.

Para conhecimento e devida execução na Polícia Militar, publica-se o seguinte:

1) PRIMEIRA PARTE (Assuntos Normativos) -Sem alteração.
2) SEGUNDA PARTE (Assuntos de Pessoal)
3) TERCEIRA PARTE (Assuntos Diversos) -Sem alteração
4) QUARTA PARTE (Justiça e Disciplina)

SEGUNDA PARTE
ASSUNTOS DE PESSOAL

TRANSFERÊNCIA DE OFICIAL – NECESSIDADE DO SERVIÇO

O CORONEL PM COMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR, em conformidade com o artigo 1º, II, do Decreto n. 36.885, de 23/05/95 e artigo 168, I, da Lei n. 5.301, de 16/10/69 -EMEMG, transfere para a PM.4 o n. 090140-5, Maj PM PAULO ROBERTO DE MEDEIROS, da CPM.

QCG, em Belo Horizonte, 02 de outubro de 2012.

(a) Márcio Martins Sant'Ana, Coronel PM
Comandante-Geral

Entenda o caso:

Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais realizou, no último dia 26 de setembro, audiência pública para discutir as supostas declarações feitas pelo major PM Paulo Roberto Medeiros, de que "90% dos policiais do Batalhão Rotam são ladrões". A autoria do requerimento foi do deputado Sargento Rodrigues, que recebeu a denúncia de que o major teria feito essa afirmação durante o Curso de Procedimentos Rotam.

Na referida data, a discussão acabou sendo adiada, devido ao não comparecimento do major Paulo Roberto de Medeiros. A comissão aprovou requerimento do deputado Sargento Rodrigues convocando, e não mais convidando, o oficial para prestar esclarecimentos.

Segundo a denúncia, Medeiros teria dito, durante palestra ministrada no Curso de Procedimentos Rotam, que 90% dos policiais daquele batalhão são ladrões. As informações dos próprios alunos foram endossadas por meio de um relatório apresentado por um major do Estado do Pará, que também participava do curso. Ele ainda disse ser comum militares da Rotam fazerem a conhecida “javanesa” para justificar prisões e violações de domicílios. Isso, na gíria policial, significa “plantar” provas. “Ao insinuar isso, o major também chama os policiais, dentre outras coisas, de traficantes, pois é este o nome dado a quem leva drogas de um lugar para o outro”, afirmou Sargento Rodrigues, indignado.

 

Os deputados esperavam que o acusado se apresentasse para dar explicações, já que há um acordo firmado com o secretário de Estado de Defesa Social, Rômulo Ferraz, e com o comando-geral da PM no sentido de garantir a presença de oficiais nas audiências realizadas pela Assembleia Legislativa, quando convidados.

 

Como o major Medeiros estava sendo representado na reunião pelo advogado Rodrigo de Lara Resende, os deputados preferiram encerrar a reunião e aprovar um novo requerimento convocando o oficial, e não apenas convidando-o, para comparecer à próxima audiência pública. Os deputados consideraram a ausência do major um desrespeito à comissão.

Sargento Rodrigues defendeu a seriedade da Rotam, “batalhão no qual tive o orgulho de servir por cinco anos”. Ele ponderou que em todas as instituições, sejam elas religiosas, políticas, empresariais, médicas ou outras, há desvios de conduta. Porém, considerou inaceitável a suposta afirmação do major, que praticamente generaliza a corrupção e a bandidagem na Rotam. Rodrigues acrescentou que o major Medeiros já foi preso por praticar furto em um supermercado e que, por isso, sua presença em um órgão de corregedoria é uma “atitude irresponsável” do comando da PMMG.

Além do major Medeiros, o requerimento pede a convocação dos auxiliares do Curso de Procedimentos Rotam, o 2º sargento Rafael e o 1º sargento Ferreira, além do 3º sargento Souza e do soldado Sodré. Serão convidados também o secretário de Defesa Social, o ouvidor de Polícia de Minas Gerais, o atual comandante da Rotam, tenente-coronel Sacramento, os ex-comandantes do batalhão, Coronéis Teatine, Lisboa, Josué, Rômulo Berbert e Romero, e representantes da Ordem dos Advogados do Brasil, da Associação dos Praças e Bombeiros Militares de Minas Gerais (Aspra) e do Centro Social dos Cabos e Soldados da PM e Bombeiros Militares de Minas Gerais.

O deputado Sargento Rodrigues ressaltou a importância da participação dos integrantes do Batalhão Rotam na audiência. “Hoje tivemos poucos militares presentes. É necessário que os companheiros compareçam, lotem o auditório, para ouvirem as explicações do Major Medeiros. As declarações feitas por ele ofendem a dignidade e a honra de todos os policiais que realizam um trabalho sério e dedicado em defesa da sociedade”, destacou Rodrigues, pedindo apoio das entidades de classe para mobilizar a tropa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário