Soldado faz doutorado e lança livro (SP)

Para pagar os estudos, Aguiar pediu carona, vendeu cursos de graduação e ainda contou com a ajuda de colegas de farda

GERALDO TAVARES/DC
Soldado diz que mesmo sem condições financeiras, sempre soube que queria ter acesso ao conhecimento
STÉFANIE MEDEIROS / Do Blog do Cabo Julio
Da Reportagem


Oriundo de uma família humilde, o soldado da Polícia Militar Laudicério Aguiar enfrentou muitas dificuldades para concluir o curso de graduação e o mestrado. Hoje, ele é doutorando da Universidade Metodista de Piracicaba no estado de São Paulo (Unimep) e lançará este final de semana seu livro “O papel do administrador hospitalar na segurança pública”. 

Aguiar contou que na infância tinha muita dificuldade de assimilar os conteúdos que aprendia na escola, pois quando os aplicava na prática, via que sua realidade era diferente da dos livros. “Eu tenho cinco irmãos, meu pai trabalhava como motorista. Minha mãe fazia salgados e nós vendíamos pra ajudar. Mas eu sempre tive esse desejo de buscar o conhecimento”. 

Ele relatou um episódio de que quando estudava matemática no ensino fundamental, nunca chegava à parte do livro onde deveriam aprender geometria. No entanto, quando entrou para o ensino médio na escola técnica, atual Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), foi a primeira matéria que tive que estudar. “Isso fez com que eu reprovasse em três provas. Não fazia parte do meu aprendizado fundamental, como eu iria assimilar o conteúdo sem ter o básico?”. 

Como Laudicério não tinha condições de pagar as mensalidades de sua graduação em Administração, com Habilitação em Hospitalar na Faculdade de Cuiabá (FAUC), ele recorreu a uma política da instituição: ao indicar um aluno para a FAUC, o graduando ganhava 10% de desconto nas mensalidades. 

Para conseguir concluir a formação superior, Laudicério explicou que ia de bicicleta até o Palácio do Governo, onde vestia uma camisa e gravata e oferecia o curso de graduação para todos os servidores das secretarias. “Eu consegui 43 pessoas no começo, tendo pago dois anos e meio de mensalidade. O resto dos semestres eu paguei dessa mesma forma. Durante o percurso da graduação, eu também ingressei na Polícia Militar, onde me encontro até hoje”, disse. 

Depois de concluir o ensino superior, o soldado fez ainda duas especializações, uma em Docência do Ensino Superior e outra em Auditoria no Sistema de Saúde. Aprovado para fazer mestrado na Unimep, Laudicério relatou que gastava 95% de seu salário para pagar as mensalidades. “Pra ir lá pra São Paulo eu pegava carona com amigos que tinham transportadoras e ia de caminhão. Os outros gastos eu tinha ajuda de amigos, até mesmo da Polícia Militar, e também orientava pesquisas para ter uma renda extra”. 

Antes mesmo de terminar de pagar as mensalidades do mestrado, concluído em 2011, Aguiar foi aprovado para fazer doutorado na mesma universidade. Após prestar um concurso da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), Laudicério conseguiu uma bolsa integral para todas as mensalidades do doutorado. “Hoje eu tenho condições de ir a São Paulo com meu salário. Sempre tive muito apoio da Polícia Militar para prosseguir com minha formação, e atualmente eu moro mais lá do que aqui.” 

Quando questionado se pretende investir para ser administrador do Hospital Militar, gerenciado apenas por coronéis, Laudicério afirmou que sua intenção não é este cargo, mas realizar pesquisas que auxiliem os coronéis na função. Atualmente o soldado também leciona alunos de graduação da área. 

Seu livro será lançado no primeiro encontro nacional de ensino superior e pesquisa policial militar, que acontecerá do dia 15 a 18 de outubro no Hotel Fazenda Mato Grosso. 

O evento deve reunir, além de policiais da instituição, pesquisadores, estudantes e universitários de todo o país. O diretor de ensino da Polícia Militar, coronel Valdivino Tavares, contou que foram aprovadas por uma comissão de doutores 37 pesquisas para serem apresentadas no encontro. “Nós queremos que esta reunião seja um marco para que nos próximos anos possa haver uma rotina anual de encontros”, enfatizou o coronel. 

A abertura contará com uma palestra do coronel Valdivino, e os outros dias serão marcados por mesa de debates, exposição de painéis e apresentação de pesquisas. “A ideia do evento é discutir para que com isso possamos potencializar a formação dos policiais”. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário