Demora na remoção dos corpos deve continuar por tempo indeterminado em BH


Rabecão - Wesley Rodrigues - Arquivo Hoje em Dia
Além da tentativa de terceirizar o serviço, a PC concluiu a licitação para compra de 30 rabecões

Do Hoje em dia
A demora para recolher corpos de vítimas da violência urbana e de acidentes de trânsito em Belo Horizonte e em algumas cidades da Região Metropolitana deve continuar por tempo indeterminado. Isso porque, nenhuma empresa apresentou proposta para os lotes 1 e 4 do processo licitatório durante a abertura dos envelopes, nesta terça-feira (7), na Comissão Especial de Credenciamento Público da Polícia Civil. 
 
Para os lotes 2 e 3, que englobam Betim, Igarapé, Ibirité, Brumadinho e outras 22 cidades do interior de Minas, duas empresas tiveram a documentação aprovada para prestar, caso passem nas próximas etapas do processo, o serviço de remoção e transporte de cadáveres. Como não houve concorrentes para os lotes 1 e 4, a polícia vai republicar o edital até o final desta semana, com novo prazo para os interessados, no site oficial de Compras do Estado.
 
Segundo a assessora técnica da Superintendência de Planejamento, Gestão e Finanças (SPGF) da Polícia Civil, Carla Regina Barbosa, a falta de empresas interessadas em participar do certame pode ter acontecido devido ao curto tempo para regularização da documentação exigida. “Para ser contratada pelo Estado, uma empresa precisa apresentar uma extensa lista de documentos. Além disso, a terceirização do serviço de rabecões é algo inédito na administração pública e, por isso, vamos insistir fazendo a nova publicação do edital para as regiões não contempladas”, afirma.
 
Conforme Carla Regina, mesmo que não consiga empresas dispostas a prestar os serviços nas cidades de Belo Horizonte, Santa Luzia, Baldim, Lagoa Santa entre outras incluídas nos lotes 1 e 4, a terceirização do serviço de rabecões será levada adiante pela Polícia Civil. "O planejamento é conciliar a prestação de serviço com os veículos públicos que já possuímos e estamos comprando, com o serviço da iniciativa privada. Se as duas empresas atenderem bem às regiões para as quais se credenciaram, já será um avanço", afirma.
 
As duas empresas credenciadas foram a Jada-Pax Assistência Familiar, da Funerária São José Ltda, e a Funerária Cintra Ltda. A primeira pretende atender 17 cidades do lote 2, que inclui os municípios de Florestal, Juatuba, Mateus Leme, Igarapé, Betim, São Joaquim de Bicas, Mário Campos, Sarzedo, Ibirité, Brumadinho, Itatiaiaçu, Rio Manso, Moeda, Crucilândia e Piedade dos Gerais. Já a segunda vai atender o lote 3, que engloba Contagem, Esmeraldas, Ribeirão das Neves, Vespasiano, São José da Lapa, Pedro Leopoldo, Confins, Matozinhos e Capim Branco.
 
Licitação concluída
 
Além do credenciamento público de empresas, a Polícia Civil concluiu a licitação para compra de 30 novos rabecões. A empresa vencedora já assinou o contrato no início de abril deste ano e agora começa a cumprir o prazo estipulado para a entrega dos veículos. Eles devem começar a rodar no segundo semestre para atendimento a municípios da Grande BH e interior do Estado. Atualmente, seis “rabecões” estão disponíveis para o serviço na Região Metropolitana, sendo um especificamente para Betim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário