Ex-comandante da Policia Militar do Distrito Federal diz que pedido de capas de chuva foi erro administrativo e que não é corrupto

Durante entrevista coletiva, Suamy Santana chegou a se emocionar

Ex-comandante da PM diz que previsão de compra para capas de chuva foi erro administrativo e que não é corrupto
O coronel diz que entende que o governador
 fez correto em trocar o comando para garantir
a lisura dos processos
R7
O ex-comandante-geral da Polícia Militar do DF, Suamy Santana, esclareceu nesta quinta-feira que a troca do posto determinada pelo governador Agnelo Queiroz não está relacionada à corrupção, mas sim a um equívoco administrativo.
— Houve um erro da administração da PM, que foi incluir essa aquisição de compra de capa de chuva relacionada aos gastos para a Copa do Mundo.O governador considerou um ato desmedido a inclusão da compra de 17 mil capas de chuva, que poderiam chegar ao valor de R$ 5,3 milhões, na licitação de aquisição de equipamentos policiais para os eventos esportivos, realizados em período de seca em Brasília. Santana informou que o valor das capas de chuva estabelecidos no edital de pregão eletrônico – cerca de R$ 300 cada, com limite máximo de compra de 17 mil unidades – era apenas uma referência. Havia a expectativa que o valor baixasse durante a licitação, que determinaria como fornecedora a empresa que oferecesse o menor preço.

O edital não tornava a compra obrigatória, o GDF poderia adquirir os itens à medida que eles se tornassem necessários para a corporação.

Além disso, o equipamento de ponta precisa atender vários critérios de qualidade, entre eles, proteção antichamas; flexibilidade para movimentação ágil, como saltar obstáculos; e sistema refletivo para identificar a presença do policial em locais escuros, qualidades não encontradas em uma capa de chuva comum.

O processo para a aquisição do material foi iniciado em 2010 e passou por análise da Procuradoria do Distrito Federal.

De acordo com o ex-comandante, o valor seria pago com verbas como a de R$130 milhões do Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO), portanto, não seriam usados recursos destinados aos grandes eventos esportivos.

Suamy Santana esteve por um ano no comando da PM. Após assumir, reorganizou as tropas e reduziu os índices de criminalidade.

— Eu errei porque estava na posição de comandante-geral e não poderia responsabilizar os meus subordinados. Entendo que o governador fez correto em trocar o comando para garantir a lisura dos processos da Copa do Mundo e das Confederações.

Jooziel de Melo Freire substitui o agora ex-comandante Suamy Santana. Freire ocupava o cargo de secretário-adjunto da Secretaria de Segurança Pública e foi indicado ao governador pelo secretário da pasta, Sandro Avelar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário