Reajustes para funcionários do Estado variam de 5% a 40,55%.


Aproximadamente 37 mil servidores estaduais serão contemplados, e o impacto previsto no orçamento é de R$ 102 milhões


OtempoOnline
A Assembleia Legislativa de Minas aprovou, ontem, o “carreirão” em segundo turno. A proposta, que estabelece o reajuste e a alteração na estrutura de 36 carreiras do Executivo, recebeu apenas uma emenda em relação ao texto aprovado no primeiro turno. Além da queda de braço com os sindicatos, a base aliada do governo ainda teve que se entender com a oposição para que o Projeto de Lei, que tramitava em regime de urgência a pedido do Executivo, fosse aprovado no segundo turno ontem pela manhã.
A proposta determina reajustes  que variam de 5% a 40,55%. Aproximadamente 37 mil servidores estaduais serão contemplados, e o impacto previsto no  orçamento é de R$ 102 milhões.

A reivindicação principal da oposição era a inclusão do reajuste de 5% para os servidores Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg). A emenda incluída incorporou, ainda, a criação de 40 cargos de auditor de saúde. A adoção de um substitutivo já havia sido acordada na aprovação da proposta em primeiro turno. Na ocasião, a oposição concordou em aprovar o “carreirão” se tivesse a possibilidade de inclusão de emendas no texto original.
Justiça
O plenário da Assembleia Legislativa também aprovou, ontem, o reajuste de servidores do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). A proposta também passou em definitivo depois que um substitutivo foi encaminhado à Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária. No primeiro turno, a Casa havia aprovado uma recomposição de 5%. Porém, o próprio tribunal enviou à Casa um novo texto em que concedia o índice de 6,42% mais um abono mensal de R$ 130.

Nenhum comentário:

Postar um comentário