Em greve, policiais civis revelam imagens para denunciar precariedade

Em greve, policiais civis revelam imagens para denunciar precariedade DHPP
Paredes do Departamento de Homicídios
e de Proteção à Pessoa apresentam rachaduras
Do Hoje em dia
Com elevadores estragados há dois anos, poucos e ultrapassados equipamentos de informática, “gambiarras” na instalação do ar-condicionado e rachaduras no teto, policiais civis denunciam a precariedade do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (D.H.P.P.), no bairro São Cristóvão, na região Noroeste da capital.

Hoje em Dia teve acesso a imagens feitas nesta quinta-feira (13), quarto dia de greve da categoria. As fotografias denunciam as condições as quais os policiais civis são submetidos a trabalhar, o que impediria que o trabalho de investigação de assassinatos e outros crimes contra a vida seja feita de forma eficiente.


Um policial civil, temendo represálias, pediu para não ser identificado, mas contou um pouco da saga do dia a dia no departamento. “Temos um espaço mínimo na inspetoria onde atuo com outros 25 policiais. Só temos seis computadores e, mesmo assim, só quatro funcionam”, contou.
Os elevadores parados há cerca de dois anos exigem que testemunhas e vítimas de crimes, além dos profissionais, sejam obrigados a usar as escadas para trafegar pelos cinco andares do prédio. “Já vi gente descendo de muleta e pessoas baleadas na perna, com dificuldades para andar, terem que usar a escada devido à falta do elevador”, relembra o policial. Procurada pela reportagem, a Polícia Civil de Minas Gerais informou que uma reforma do prédio do D.H.P.P está prevista para ser iniciada ainda neste ano. A recuperação do imóvel, segundo a assessoria, deve ocorrer em duas etapas e custar R$ 5, 5 milhões.Além disso, o mobiliário do departamento será integralmente renovado, conforme a Polícia Civil. De acordo com a assessoria, o prédio do D.H.P.P é preservado pelo patrimônio histórico do Estado e, por isso, a recuperação exigirá atenção e cuidados ainda maiores. Em relação às viaturas da corporação, a assessoria informou que o departamento deve ser um dos contemplados pela nova frota de veículos da Polícia Civil. A entrega dos 182 automóveis deve ser feita em julho.

Apuração em risco

Os relatórios de inquéritos e investigações realizados no D.H.P.P. correm o risco de serem perdidos ou extraviados devido aos equipamentos obsoletos do departamento, denuncia o policial civil. “Tudo o que eu faço preciso salvar no meu pen-drive pessoal, deixar salvo aqui é um risco. Os computadores são lentos e quase não têm memória”, conta.
Segundo ele, algumas vezes quando há um colega de trabalho fazendo um trabalho externo e pede auxílio para pesquisa de algum dado a demora prejudica a ação policial. “Às vezes o colega precisa que a gente cheque um endereço, um nome, a placa de um carro, mas com a lentidão dos computadores fica difícil dar esse retorno imediato, o que acaba prejudicando a ação”, diz.
Veja as imagens:

Em greve, policiais civis revelam imagens para denunciar precariedadeBuraco em uma das instalações do departamento, no bairro São Cristóvão (Foto: Divulgação)
Em greve, policiais civis revelam imagens para denunciar precariedade
Instalação de ar-condicionado em uma das salas do D.H.P.P (Foto: Divulgação)

Flagrante feito em maio, mostra que parachoque de carro da Polícia Civil

Em greve, policiais civis revelam imagens para denunciar precariedade
Flagrante feito em maio, mostra que parachoque de carro da Polícia Civil precisou ser amarrado com arame em farol para não cair (Divulgação)

Nenhum comentário:

Postar um comentário