Guarda Nacional em Minas Gerais é reforço necessário

Do Hoje em dia
O governador Antonio Anastasia teria aproveitado sua viagem a Brasília, na terça-feira, para pedir à presidente Dilma Rousseff o envio de agentes da Força Nacional para reforçar a segurança nos jogos da Copa das Confederações. Se o fez, demonstrou prudência e sabedoria política, pois divide com o governo federal a responsabilidade pelo que puder ocorrer no próximo sábado, dia de mais um jogo da Copa das Confederações no Mineirão.
O ministro da Justiça, porém, negou que o envio de forças federais a Minas e a outros estados com jogos marcados tenha relação direta com as manifestações e já estava programado. De qualquer forma, esse reforço deve fortalecer a ação da PM mineira contra atos de vandalismo, como os que ocorreram na noite de terça-feira no centro de Belo Horizonte. Cardozo disse que as forças federais estão orientadas a agir dentro do “princípio de proporcionalidade, nunca além do necessário para manutenção da ordem e da lei”. É assim que deve ser.

O momento é de aprendizado por parte da polícia e dos manifestantes, em sua maioria, jovens que participam pela primeira vez de grandes atos de protestos. Talvez seja a própria inexperiência que explique a ausência de uma pauta definida de reivindicações e a ausência de lideranças reconhecidas. Explica também o repúdio à participação de políticos e de seus partidos no movimento. Com o tempo, devem descobrir que, sem política, não há mudanças.

De qualquer forma, ficará difícil, diante de jovens rebeldes à política, que algum líder carismático manipule demagogicamente, como se viu tantas vezes na história, um movimento que se originou da insatisfação. Não apenas com o preço das passagens de ônibus, mas com todos os poderes da República, como revelado pela última pesquisa Datafolha realizada na capital paulista, onde a mobilização começou. Entre os 805 paulistanos entrevistados, 44% disseram que os partidos políticos não têm nenhum prestígio. É significativo que entre a primeira pesquisa, realizada quinta-feira da semana passada, e esta última, a parcela dos paulistanos que apoiam as manifestações subiu de 55% para 77%. Essa escalada pode ter consequências mais sérias, como pode se arrefecer com a redução das tarifas de ônibus e com o cansaço dos manifestantes. E essa redução é possível, com as desonerações fiscais concedidas pelo governo federal para o transporte público e outras que poderão vir dos governos estaduais e das prefeituras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário