Novos confrontos são registrados entre PM e manifestantes

tensãoNovos confrontos estão sendo registrados na noite desta segunda-feira (17) na avenida Antônio Carlos, região da Pampulha. Segundo informações de repórteres do Hoje em Dia, a polícia está novamente atirando bombas de gás lacrimogênio contra os manifestantes.  
 
Na confusão, o grupo, que tentava chegar até o Mineirão, foi dispersado e está seguindo no sentido Bairro. Conforme manifestantes, há muita fumaça na região e os policiais estariam atirando com balas de borracha.
 
Segundo o estudante Thiago Brito, de 27 anos, quando a passeata chegou próximo ao estádio, os manifestantes foram impedidos de avançar por três barreiras policiais. "Neste momento, eles abriram um pouco a barreira para algumas pessoas passarem e começaram a atirar. Quanto tentamos voltar a tropa de choque também vinha pelo outro lado e ficamos encurralados", contou.
 
Ainda conforme Thiago, que está em um bar próximo à UFMG, a polícia está atirando muito contras os manifestantes e estão impedindo que as pessoas vão embora. "As pessoas estão recuando e se escondendo em alguns locais pra tentarem se proteger", completou.
 
Além da violência, a polícia também estaria revistando os manifestantes e abrindo bolsas e pertences pessoais. Um dos repórteres do Hoje em Dia chegou a ter sua mochila revistada por um policial. 
 
Mais cedo militares do Batalhão de Choque da PM teriam atirado balas de borracha contra manifestantes. Além disso, bombas de gás lacrimogênio e sprays de pimenta foram utilizados para dispersar a multidão e evitar que os participantes furassem a barreira policial.
 
Protestos
 
As manifestações em Belo Horizonte tiveram início após uma onda de protestos registrados em São Paulo e no Rio de Janeiro contra o aumento das tarifas de ônibus. Entretanto, o movimento ganhou força após uma liminar da Justiça proibindo manifestações em Minas Gerais durante a Copa das Confederações. A decisão, da última quinta-feira (13), foi confirmada nesta segunda-feira (17) pelo desembargador Antônio Sérvulo.
 
No último sábado (15), uma reunião para organizar o protesto pela redução da passagem de ônibus em BH se transformou em uma grande manifestação e reuniu aproximadamente 8 mil pessoas. A multidão, que se encontrou na Praça da Savassi, saiu em passeata pelas ruas da capital até o Centro da capital mineira. Além da redução das tarifas, os jovens pediam ainda por mais educação, saúde, segurança pública e protestavam contra a realização da Copa do Mundo no Brasil. 
 
Nesta segunda-feira, além da grande manifestação em BH, que reuniu cerca de 40 mil pessoas, aconteceram protetos também no Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo e várias outras cidades do país. No interior do Estado, também houveram manifestações em Juiz de Fora, na Zona da Mata, Araxá, no Triângulo Mineiro, e João Monlevade, na região Central.
 
Manifestante relata momentos de tensão
 
Chegamos na praça 7 às 13:00, movimento super tranquilo, todos pacíficos, caminhamos até a Av. Antônio Carlos, todos colaborando. Nesse momento, cerca de 5 horas da tarde, manifestantes romperam o isolamento dos policiais, que não mediram forças para revidar.
 
Muitas bombas, gás. Manifestantes quebraram agências bancárias, e várias outras coisas. Vimos polícias com arma em punho intimidando as pessoas que ousaram chegar perto.
 
Andamos até a Av. Santa Rosa, pois todas as vias estavam bloqueadas.
 
Henrique Klem, Estudante Universitario

Nenhum comentário:

Postar um comentário