Estupro coletivo de adolescente em Contagem será investigado

Durante uma festa junina, oito jovens estimularam uma adolescente de 15 anos a ingerir bebidas alcoólicas e depois a levaram a um lugar deserto, onde a teriam estuprado; um dos suspeitos é primo da vítima

imagem meramente ilustrativa
Um caso de estupro coletivo a uma adolescente de 15 anos em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, será investigado, após a menina denunciar a violência quase um mês depois. A delegada Marina Castro, da Delegacia Especializada de Atendimento à  Mulher, abriu um inquérito nessa quarta-feira (17) para investigar o caso.


Segundo a delegada, a menina contou que foi em uma festa junina na cidade, mas não soube precisar a data exata. Ela disse que foi em um fim de semana, provavelmente, em meados do mês passado. Lá, ela estava na companhia do primo, também adolescente, e outros sete conhecidos, entre adultos e menores.



Os jovens estimularam a garota a beber e, uma das suspeitas, é que eles apenas tenham simulado que estavam ingerindo de forma exagerada as bebidas alcoólicas, deixando apenas para a adolescente, a ingestão exaustiva das bebidas. Após isso, a menina relatou que não se lembrava de mais nada.



Ainda de acordo com a delegada, o grupo se dirigiu a um lugar deserto onde passaram a violentar sexualmente a adolescente. Ela teve convulsões por causa da bebida e chegou a desmaiar, segundo a delegada. A possibilidade de que ela estivesse em coma alcoólico durante as agressões também será investigada.



"O curioso é que os próprios suspeitos levaram a menina para a Unidade de Pronto Atendimento após as sessões de estupro", contou a delegada. A menina contou que não se lembrava nem de quem estava dirigindo o carro que a levou para ser socorrida, quando estava com sangramentos causados pela violência.



A menina não contou a ninguém sobre ocorrido, até os familiares notarem a diferença em seu comportamento. "Ela parou de sair, não ia mais à escola e chorava muito", disse a delegada. A irmã da vítima disse que a família estava sendo ameaçada por alguns dos suspeitos para que não contassem nada a polícia.



Ainda de acordo com a delegada, a conduta de cada um dos envolvidos deverá ser investigada para apurar o que eles estavam fazendo no momento do crime e como agiram. A pena para estupro varia de 10 a 20 anos de prisão, porém, pode chegar  a ser ainda maior devido a possibilidade de agravantes. A delegada também informou que alguns dos suspeitos já foram localizados. O prazo inicial para a conclusão do inquérito é de um mês.


Fonte: OtempoOnline

Nenhum comentário:

Postar um comentário