Família acusa delegado de quebrar promessa de soltura

Jovem de 25 anos foi preso depois de ter a moto furtada em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, e ter colocado fogo em telefones públicos para extravasar a raiva e a indignação

AJL029.jpgAJL031.jpg
O delegado da Polícia Civil que atendeu a ocorrência do jovem de 25 anos preso, nesse sábado (7), depois de ter a moto furtada em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, e ter colocado fogo em telefones públicos para extravasar a raiva e a indignação, afirmou à reportagem de O TEMPO que o rapaz seria ouvido e liberado, pois "não é bandido". Porém, a família afirmou que o jovem foi transferido para uma penitenciária.Em entrevista no sábado, o delegado José Thomas Souza Júnior declarou que o jovem não tinha passagem pela polícia, tinha bons antecedentes e seria ouvido e liberado. No entanto, neste domingo, a balconista e mãe do rapaz - identificado apenas como Robert – Marlene Miles, de 44 anos, relatou que o filho teria sido levado para uma penitenciária. "O delegado me disse que, se eu pagasse fiança de um salário mínimo até as 17h de sábado, ele seria solto. Eu arrumei o dinheiro, cheguei à delegacia às 16h20 e ele não quis aceitar a fiança” relata.
Neste domingo (8), procurado novamente pela reportagem, o delegado informou, por meio da assessoria da Polícia Civil, que em momento algum prometeu que o rapaz seria liberado. Ele entendeu que o jovem cometeu um crime continuado, contra o Estado por ter destruído a viatura da PM e contra prestadores de serviço público, que é a empresa que fornece os orelhões. Esse crime não cabe fiança. Agora, segundo a polícia, o motoboy vai permanecer à disposição da Justiça.
Fonte:OtempoOnline

Nenhum comentário:

Postar um comentário