Brasil não aguenta mais quatro anos de Dilma, diz Campos

Governador de Pernambuco, Eduardo Campos, durante encontro que marcou a filiação da ex-senadora Marina Silva ao Partido Socialista Brasileiro (PSB), em Brasília. Campos (PSB), voltou a criticar a condução da economia do país, durante reunião nesta sexta-feira do diretório nacional do PPS, e disse que os brasileiros estão correndo risco de perder as conquistas que obtiveram. 5/10/2013. REUTERS/Ueslei Marcelino
Reuters/Reuters - Governador de Pernambuco, Eduardo Campos, durante encontro que marcou a filiação da ex-senadora Marina Silva ao Partido Socialista Brasileiro (PSB), em Brasília. Campos (PSB), voltou a criticar a condução da economia do país, durante reunião nesta sexta-feira do diretório nacional do PPS, e disse que os brasileiros estão correndo risco de perder as conquistas que obtiveram. 5/10/2013. REUTERS/Ueslei Marcelino

"Não dá para ter mais quatro anos da Dilma (Rousseff), o Brasil não aguenta". A afirmação foi feita pelo governador de Pernambuco e provável presidenciável Eduardo Campos, no sábado 08, no município de Nazaré da Mata, na zona da mata pernambucana, quando acusou a presidente de travar o crescimento econômico do Brasil. Foi a primeira vez em que ele citou nominalmente a presidente Dilma Rousseff, em meio aos constantes ataques tem feito ao governo federal.

"A presidenta não soube tocar o Brasil do jeito que precisava ser tocado", afirmou, durante encontro político promovido pelo PSB e noticiado pelo blog Giro Mata Norte. "Com respeito ao povo organizado, com respeito ao diálogo democrático, com a capacidade de ouvir e somar forças, ter a paciência que o líder tem que ter e a sabedoria de aprender com o povo".

"Quem acha que sabe tudo não sabe de nada", continuou, ao reiterar que o Brasil "parou de crescer como estava crescendo".

As declarações foram feitas no evento em que apresentou o seu candidato à sucessão estadual, o secretário da fazenda, Paulo Câmara, ao lado dos candidatos da chapa majoritária - o deputado federal Raul Henry (PMDB), candidato a vice, e o ex-ministro da Integração Nacional Fernando Bezerra Coelho (PSB) que concorrerá ao Senado.

A administração do ex-presidente Lula foi elogiada, dentro da estratégia de reverenciar o governo do petista e responsabilizar a presidente Dilma de não dar continuidade ao que foi realizado pelo seu padrinho político. "O povo elegeu um retirante que saiu daqui (Pernambuco) tangido pela seca e pela fome e se transformou numa grande liderança sindical da área industrializada do Brasil, que chegou à Presidência da República depois de esgotado politicamente o modelo que estava em vigor, e teve a sabedoria, a inteligência, a capacidade de ouvir, a humildade de construir com diálogo um tempo de mudança no Brasil. Um tempo de mudança que fez o Brasil voltar a crescer como não crescia".(Yahoo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário