Meta para redução de crimes é descumprida em todo o Estado

Taxa máxima deveria ser de 336,60, mas foi de 430,01; dados estão em relatório da Polícia Militar; na capital, taxa foi de 1.234 ocorrências por 100 mil pessoas; meta era 995,53

Indignação. Antonio Fernando reclama da impunidade: “Estamos reféns da indústria do crime”
Minas Gerais tirou nota zero no cumprimento das metas de redução de crimes violentos, segundo o relatório Indicadores do Acordo de Resultados de 2013, elaborado pelo Centro Integrado de Informação de Defesa Social (Cinds) da Polícia Militar (PM), ao qual a reportagem de O TEMPO teve acesso com exclusividade. Todas as 18 Regiões Integradas de Segurança Pública (Risps) do Estado tiveram aumento nesse tipo de ocorrência e nenhuma delas conseguiu baixar o índice ao nível estipulado pelos órgãos de defesa social. Com isso, Minas fechou 2013 com uma taxa de 430,01 crimes violentos por 100 mil habitantes, sendo que o número não deveria ter passado de 336,60.

Nas cidades. “Estamos reféns da indústria do crime. O assalto virou rotina”, afirmou o auditor Antonio Fernando de Lima, 72, que teve o carro roubado no último dia 10 na porta de casa, no bairro Serrano, na região da Pampulha, em Belo Horizonte. Na capital, que corresponde à 1ª Risp, a taxa almejada era de 995,53 crimes violentos por 100 mil habitantes, porém, em 2013 foram 1.234,31 registros. O resultado também rendeu nota zero para a cidade, o que se repetiu em pelo menos 12 das 18 regiões integradas do Estado.
Mortes. Os homicídios tiveram aumento em 11 das 18 Risps e, com isso, a meta de redução da taxa de assassinatos também não foi alcançada na mesma proporção.
‘Combate foge às forças da PM’
A Polícia Militar informou que o aumento dos crimes violentos é motivado por fatores sociais, culturais e econômicos, que muitas vezes extrapolam as forças policiais. “A redução do homicídio e do estupro, por exemplo, carece de consciência e de um comportamento mais civilizado e humanizado das pessoas”, afirmou o chefe de comunicação da corporação, tenente-coronel Alberto Luiz Alves.
Já o roubo, maioria dos crimes violentos, tem aumentado por conta da ação da polícia no combate ao tráfico de drogas e à entrada de armas de fogo no Estado, por meio da ação Divisas Seguras. “Quando nós combatemos ou enfrentamos a apreensão de armas e drogas, pode haver migração de pessoas para o crime contra o patrimônio”, afirmou o militar.
Alves admite, no entanto, que a sensação de impunidade faz com que muitas pessoas prefiram roubar a trabalhar. “Elas decidem adquirir um patrimônio mesmo sem ter condições de adquiri-lo”, concluiu. 
Saiba mais
Meta. A meta estabelecida no Indicadores do Acordo de Resultados foi pactuada entre a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) e os órgãos de segurança, como polícias Civil e Militar e o Corpo de Bombeiros.
Parâmetro. Segundo a Polícia Militar, as metas são definidas anualmente, sempre buscando a redução e tendo como parâmetro os dados de anos anteriores.
Prêmios. Para incentivar o combate às metas, são dados prêmios de produtividade.(OtempoOnline)

Nenhum comentário:

Postar um comentário