Quadrilha que distribuía maconha é presa com quase meia tonelada

sagaz
Além das drogas e do dinheiro, polícia ainda apreendeu uma pistola 9 mm e mais de 100 chips de celular

No total, quatro homens foram detidos com 472 kg de maconha, que foi trazida do Mato Grosso do Sul em um caminhão

sagaz
Além do líder do bando, seus dois parceiros e o caseiro do sítio também acabaram presos

Com uma investigação de apenas 15 dias, uma equipe da Divisão de Operações Especiais (Deoesp) da Polícia Civil conseguiu apreender quase meia tonelada de maconha e prender os quatro integrantes de uma quadrilha que fornecia a droga para Belo Horizonte e região metropolitana. Por causa disso e, também, por um dos integrantes se achar esperto demais, a operação que culminou na prisão dos suspeitos em uma festa de família foi denominada "Operação Sagaz".

Segundo o chefe do Deoesp, Wanderson Gomes, eles estavam investigando uma suspeita de roubo de cargas quando acabaram identificando que, na verdade, a quadrilha atuava era no tráfico. "Investigávamos o Roberth Afonso Morais, de 28 anos, o Betinho, por causa de cargas e acabamos descobrindo que ele atuava no tráfico no bairro São Francisco, na região da Pampulha", explicou o policial. 
Durante a investigação, os policiais receberam a informação de que Morais havia partido para Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, em um caminhão, e que voltariam com drogas. O suspeito retornou para a cidade na madrugada do último dia 10, quando se encontrou com seus dois comparsas, Cléber Antonio de Moura, o Bill, de 32, e Fábio da Costa Silva, o Gordo, de 26.
Com os companheiros em dois carros, como batedores, a quadrilha levou a meia tonelada de maconha para um sítio em Esmeraldas, na grande BH. Da chegada à capital até o dia das prisões, na última segunda-feira (14), os traficantes chegaram a revender parte da droga. "Eram distribuidores, não vendiam no varejo", explicou o delegado responsável pela investigação, Tiago Machado. Morais era o "cabeça" do bando.
No dia 14, os policiais se aproveitaram de uma festa em família, realizada em um sítio alugado em Ribeirão das Neves, na região metropolitana, para conseguir prender os três suspeitos juntos. "Com a prisão, eles revelaram onde ficava o sitio em Esmeraldas e onde estavam guardados os 472 kg de maconha que ainda sobravam. Com eles, nós encontramos R$ 40 mil, provavelmente vindo da droga que eles já haviam vendido", disse o delegado. Os suspeitos já tinham passagem pela polícia.
Além das drogas e dos R$ 40 mil, a polícia ainda apreendeu um Fiat Uno, uma pick-up Strada e um Volkswagen Polo dos suspeitos. Cerca de cem chips de celular também foram apreendidos. "É mais fácil comprar um chip do que um sorvete no Brasil, não tem nenhuma fiscalização sobre quem compra e é muito usado por bandidos", disse Wanderson Gomes.
Caseiro
Além disso, no sítio, os policiais identificaram Antônio Pereira Nunes, de 60 anos, que trabalhava como caseiro do local. O senhor também acabou preso, uma vez que recebeu R$ 10 mil e uma pistola 9 mm de fabricação israelense como pagamento pelo serviço. "Existem indícios de que esta não é a primeira vez que faz esse serviço para estes traficantes", explicou o delegado Machado.
Além disso, o caseiro já tinha passagem pela polícia, após ter assassinado a sua mulher há quatro anos. Em entrevista, Nunes confessou ter matado a mulher, mas não quis dar detalhes sobre por que cometeu esse crime.(Otempo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário